Category

Home Office

Home Office com crianças: como faz?

By | Home Office

Você tem uma rotina de Home Office e tem que cuidar dos filhos meio que ao mesmo tempo? Tem jeito? Estou fazendo isso sozinho já tem 4 anos, então um jeito tá rolando. Tenho um filho de 10 anos e já tem 6 anos que priorizo empregos e rotinas profissionais que possibilitem que eu possa cuidar dele. Durante um ano, a metade da semana que ele ficava comigo eu não tinha escritório a não ser minha casa. Tiveram algumas atitudes que eu vi que funcionaram e muitas outras que não deram muito certo para a boa harmonia entre pai e filho. Percebi, através da minha experiência, que é fundamental ter uma rotina disciplinada com a flexibilidade necessária além de diálogo e compreensão. Espero que esse texto te ajude a ter uma convivência harmoniosa com a cria

0 – Quem é o pai que tá escrevendo?

Antes de ler o texto com as minhas sugestões, é legal que você conheça um pouco de mim como pai.

Fotos que ficam na frente da minha escrivaninha há 9 anos, estudo e trabalho muito com essa inspiração.

Sou apaixonado pelo meu filho, meio duro quando necessário (eu acho), sou um cara meio dramático, um tempero de mãe judia e muito de mãe italiana. Sou duro mas com todo o doce de cuidado de ver o filho feliz. Tento dar o melhor como formador de uma pessoa que esteja em paz, missão difícil, acabo exigindo demais dele e isso se expressa através da minha auto exigência (desnecessária talvez). De qualquer forma, desde que eu aprendi com a terapeuta que cuidar do filho é expressar o amor, acabei me dedicando mais a paternidade e, por consequência, sendo mais exigente com ele, assim recebi respeito de um filho que se sente muito mais amado.

Desde os seus 5 anos de idade, estabelecemos uma conexão muito forte, fiz questão de ficar com ele no tempo que eu tivesse disponível. Não sou um pai perfeito, longe disso, você como pai ou mãe sabe do que eu tô falando. Estamos todos aprendendo a conviver com esses novos seres. E eles também aprendendo a conviver com esses seres aqui cheios de experiências. Nem todos os empregos que consegui me possibilitaram trabalhar de casa no período matinal, mas sempre soube aproveitar bem os que me possibilitaram isso.

1 – Rotina e flexibilidade, qual o limite?

Percebi nesses meus tempos de home office que é importante estabelecer uma rotina de trabalho e também uma rotina para o

meu piá. Mas já tentei vários métodos, ele acordava, eu servia um café da manhã, encaminhava ele para tarefa de casa e ficava por perto trabalhando, mandava ele pro banho. A rotina existia, mas era flexível demais, alguns atrasos no colégio, conflitos entre eu e o cara que eu mais amo, não dava muito certo, tanto que eu rendia muito pouco na parte da manhã. Eu o levava para o colégio, voltava pra casa, trabalhava mais um pouco e voltava buscá-lo. Botava ele para dormir e trabalhava até madrugada para compensar esse tempo de idas e vindas. Havia dias que nem ouvia ele acordar de cansaço.

Depois de um tempo larguei mão de trabalhar de manhã e tentava render o máximo possível depois do almoço, ajudou nos atrasos e na correria matinal antes de levar pra aula. Mas perdia meu tempo de qualidade com ele no período noturno.

Com o isolamento social devido a pandemia da Covid-19, a tal quarentena, não haveria mais o horário sem o filho na parte da tarde. Daí eu percebi a necessidade de uma rotina bem estruturada. Criei uma agenda de horários limite para tomar café (para não perder o apetite no almoço), uma hora para leitura matinal, além de ele ter que varrer a casa, arrumar o quarto e organizar a sala. No horário de almoço, enquanto eu preparo a comida, ele toma banho. Na parte da tarde, atividades pedagógicas e depois o tempo livre nosso juntos, o que nem sempre rola, devido a reuniões até 20h, 21h, o horário de encaminhar o piá pra cama.

 

2 – Diálogo e compreensão: conversar faz parte de qualquer relação

Diálogo e compreensão devem andar juntos, pois para esperar o entendimento de outra pessoa em um relacionamento é necessário que você verbalize isso. É o que eu faço desde que eu comecei a trabalhar perto do meu filho, ele demorou muito pouco para entender, preciso ser duro quando necessário para lembrá-lo o nosso trato durante meu período de trabalho. Sempre tentar deixar o mais claro da importância do meu cotidiano profissional e como eu sou feliz por estar vendo ele crescer entre uma planilha e outra. Por isso que faço questão, quando vou ao banheiro, dou um beijo no meu filho, faço uma piada, cócegas.

Claro, trabalho tem estresse, cobrança e pressão, precisei deixar isso bem claro para o meu filho, ele não precisa entender os motivos que me deixam estressado. Mas compartilho de forma superficial meus problemas e minhas conquistas, pra ele sentir a importância que o trabalho tem pra mim também. Ele, aparentemente, compreendeu, e a rotina o ajudou a ter as próprias ocupações e não demandar minha atenção total no momento do meu trabalho.

3 – Sim, é possível um home office com crianças de forma harmoniosa, todo o dia talvez não, quem nunca né!?

Sim, é possível ter uma rotina boa e saudável trabalhando perto das crianças. O meu piá disse que adora. Acima de 5 anos pode ser mais fácil de conversar, claro. Bebês já precisam de uma rotina um pouco mais rigorosa, mas depende do arranjo familiar. E claro, depende de como você estabelece as rotinas dentro de casa, como lida com os seus filhos. Cada um tem seu jeitinho. Aí que tá o ponto da flexibilidade.

Os dias com rotina aliados ao diálogo vão criando uma convivência harmoniosa, claro, no limite do possível, pode acontecer uma briga ou outra. Não se cobre, não cobre muito, viva um dia atrás do outro.

Ah! E aqui acontece, no meio daquela call com o cliente, um chamado: “pai, vem qui”. Pode acontecer aí também.

NOTA: E editando esse texto, colocando as fotos, os olhos se encheram de lágrima, o que me fez pensar se não deveria ter trabalhado menos. Creio que não, mas como cresceu rápido, caramba, muito rápido! Te amo, meu filho, vale muito à pena dar o meu melhor por você.