Tendências e oportunidades nas lives musicais para o artista independente

Lives musicais já existem faz um tempo, porém no período de isolamento social devido à covid-19 vimos a quantidade de transmissões explodir. Marília Mendonça atingiu o pico de 3,2 milhões de pessoas assistindo ao mesmo tempo. Os artistas mais populares do mundo nas lives do YouTube são brasileiros. O Gusttavo Lima  conseguiu superar a Beyoncé que obteve 458 mil acessos simultâneos.  As marcas patrocinaram diretamente as transmissões conquistando ainda mais visualizações com as reproduções posteriores à live. A live do Bruno & Marrone, tem até o momento mais  de 28 milhões de views.

Patrocínio da Brahma durante a live de Bruno e Marrone.

É perceptível nas parcerias de marcas e artistas duas oportunidades estratégicas de marketing:  

_alcance,  uma métrica mensurável através das lives e que atraem os investidores

_branding, atrelar a marca a figura de um artista é uma forma de personalizá-la e também uma oportunidade de gerar ainda mais envolvimento do público e, por consequência, mais vendas. 

Ambas funcionam diretamente para grandes e pequenos artistas, porém de acordo com o número de pessoas alcançadas pelo artista podem variar as tendências e possibilidades de monetização das lives. Artista independentes também têm feito esforços porém em sua imensa maioria não tem conseguido rentabiliza muito.

É perceptível que uma grande parte dos artistas pequenos pedem um favor ao público. Porém, é necessário que ele perceba mecanismos de atribuir valor à sua marca como banda ou músico na negociação com parceiros e fãs.

Listei algumas tendências e oportunidades para artistas independentes para utilizarem as lives musicais como fim ou como meio de se rentabilizar. Isso mesmo, dinheiro no bolso.

 

_Utilizar o impacto e o alcance das lives como meio para conquistar mais fãs 

O raciocínio é simples: quanto mais pessoas entram em contato com seu conteúdo, maior é o número de pessoas que podem te seguir e virar um público seguidor e consumidor da sua marca, você sendo artista ou não. As lives têm grande impacto para o seu público fiel e eles têm amigos que podem também consumir do que você oferece, peça para compartilhar durante a live. Além de que as suas lives agora podem ficar para sempre na internet gerando novos fãs. Atribuir valor na marca do músico ou banda podendo gerar renda com a venda de merchans e também no que oferecer no financiamento coletivo, por exemplo. 

 

_Os artistas terão que mensurar os dados e perceber a segmentação do público

Há público para tudo que é tipo de produto. Algumas empresas de pequeno porte podem se interessar por atingir um público que coincide de alguma forma com o público da marca. Com artistas de mais de 100k já se pode pensar em parcerias com empresas que vejam a oportunidade de atingir um público específico com uma proposta de valor. Ou campanhas locais de artistas locais em parceria com marcas locais. 

Para isso, é importante o artista ter um projeto bem claro de mídia constando as KPIs que podem ser de interesse do empresário: 

– número de visualizações (simultâneas e posteriores)

– custo por mil visualizações (CPM); 

– cliques no link do patrocinador. 

– custo por clique (CPC) no link do patrocinador. 

 

_Lançamentos através de lives e a importância da união entre os artistas

Alguma empresas podem estar em busca de uma estratégia de lançamento de seu produto ou marca. Empresas pequenas e médias estão em busca de lançar sua novidade com um grande impacto e, ao mesmo tempo, conhecer o seu público. Os artistas podem aproveitar o alcance das lives para fazer seus lançamentos. 

Essa tendência pode se desdobrar. Vários artistas pequenos podem se unir para propor a essas empresas a fazer lives em sequência em um mesmo dia lançando uma nova marca. Inclusive artistas poderão fazer grandes apresentações gerando cliques para compra de merchan e outras formas de patrocínio. 

 

_Os músicos terão que aprender a se comunicar melhor e a se comportar nas transmissões

Para uma parte dos músicos se comunicar é algo mais fácil, mas nem pra todos. Mas se comportar pode soar repressivo, incômodo e revoltante, inclusive pra mim que também sou músico. Os patrocinadores não poderão arcar com comportamentos inapropriados com a identidade conceitual da marca ali exposta. O artista tem que entender que ele está divulgando algo com o que se identifica. 

Quanto vale a marca para uma empresa.

O cantor sertanejo Gusttavo Lima em sua segunda live encheu a cara, onde além da Bohemia (ele não bebeu só cerveja, inclusive), havia patrocínios da Cielo, da Perdigão, do Serasa e das Casas Bahia. Demonstrando muita irresponsabilidade profissional pela falta de respeito ao dinheiro investido pelas marcas. Se você é um artista pequeno que está criando um público e gerenciando de forma ativa a sua marca, ou pelo menos deveria estar preocupado com isso, é fundamental que fique atento ao que você vai fazer entre uma cerveja e outra. Tome cuidado, comporte-se no limite da sua arte.  

 

_O artista independente terá que melhorar as estratégias de marketing digital

O artista independente terá que investir em marketing digital muito trabalho, dedicação e o dinheiro que puder. Entender das estratégias, as melhores ferramentas, KPI’s. As redes sociais representam o principal ponto de contato do artista com o público, por isso é necessário estruturá-las de forma estratégica. E como você pode atrair gente para uma nova etapa é fundamental para ter leads com os quais pode conversar diretamente por e-mail, whatsapp além do Facebook e Instagram. Mensurar o sucesso da estratégia terá que ser uma prática diária. Através de alguns cursos você pode ter meios de entender quais os meios utilizar para atingir seus objetivos.

Tem alguma dúvida, sugestão ou correção, entre em contato comigo:

Meu WhatsApp
LinkedIn
Facebook

Carlos Zavadinack

Author Carlos Zavadinack

More posts by Carlos Zavadinack